Domingo, 7 de Outubro de 2007

Eléctricos com grande adesão

0001e0y1

Perto de cinco mil passageiros já experimentaram a nova linha 22

Após quase trinta anos arredados das ruas do Porto, os eléctricos regressaram e têm registado uma grande adesão por parte da população. Só no primeiro mês de actividade, foram transportadas quase cinco mil pessoas nos seis veículos que actualmente percorrem a Baixa.  

 

Quase 5.000 passageiros usaram a nova linha 22 de eléctricos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) na sua primeira semana de actividade, disse uma fonte da empresa. Estes números referem-se à operação comercial da nova linha entre os dias 23 e 29 de Setembro, quando foram efectuadas 4.883 validações no referido percurso, o que equivale uma média diária de 698 validações.
“Estes números demonstram claramente a adesão da população a esta iniciativa”, indicou a fonte da STCP, empresa concessionária do transporte urbano no grande Porto. A linha 22, entre a Batalha e o Carmo, funciona das 10h00 às 19h00 horas, com uma frequência de 30 minutos. O novo percurso passa pela Cordoaria, Clérigos, 31 de Janeiro, Batalha, estação do funicular dos Guindais (onde inverte a marcha), Santa Catarina, Passos Manuel, Praça de D. João I, Avenida dos Aliados, Praça Filipa de Lencastre, ruas de Ceuta e de José Falcão e praças Guilherme Gomes Fernandes e Gomes Teixeira. Desde a década de setenta que os carros eléctricos apenas estavam a circular em zonas restritas em serviço turístico, com duas linhas em exploração: Linha 1E (Infante/Passeio Alegre) e linha 18 (Restauração/Cordoaria).
O regresso dos carros eléctricos à Baixa na última semana de Setembro, depois de 30 anos de ausência, provocou viva curiosidade e alguma nostalgia entre a população. Os seis veículos que percorrem a Baixa do Porto são carros eléctricos antigos restaurados, construídos originalmente nas décadas de 1920, 1930 e 1940, mas que foram objecto de uma profunda remodelação nos últimos três anos ao nível motorização e dos componentes eléctricos.

Pedro Gomes às 18:24
|